domingo, 23 de outubro de 2011

A viagem

Saio da rodoviária

E já começa a empolgação

Passo no antigo Big Show

Lugar de muita ação

Lá, fiz bonito... fiz feio

Eita, Deus! Faz um tempão.


Viro à direita

Vem o túnel da estação

Tô chegando à praça

Que coisa, quanta emoção


A viagem nem começou

E já aperta o coração


Subindo a avenida

É de um lado

É do outro

Tem história de montão


Seguindo pela estrada

Dia e noite, sol e frio

Já to chegando no rio

Balneário de verão


Toca motorista

Falta, ainda, muita pista

E hoje eu tô com dinheiro

Vamos parar em formigueiro

Só uma pausa pra recordar


Tá bom, já lembrei de muita coisa

Fim de Ano e carnaval

Pegue o volante

Vamos voltar pra vicinal

Tem tico-tico, tem pardal

Tem nome muito difícil

Mais eu lembro, não faz mal


Pisa no freio

Tá passando uma criança

Ainda bem que o breque é bom

Ô lalá! Quanta lambança

Saudade é o que não falta

Vou passar em Lomba Alta

Martimianos, São Miguel


Agora pega à direita

Vai pela via estreita

Mas deixemos de prosa

Logo ali, é Vila Rosa


Paraíso, tô de volta

Não precisa nem de escolta

Conheço tudo aqui

Pena que tenho de ir


Agudo, quase fui preso

Ande com o farol aceso

Rio Pardo, tá muito longe

Meia volta no bonde

287 lá vou eu


Dona Francisca, Faxinal

Polêsine, Nova Palma

Quase deixo minha alma

Mas vamos com calma

Muito bom é no verão

Volta pra direção

Camobi, só de passagem

Santa Maria, fim da viagem?


Não!

Enche o tanque e volta à guerra

Pisa fundo

Sobe a serra

Marca 127

Desta vez, vê se não erra


Noite chegou, mas tudo bem

Terra de Veríssimo, nada falta

Ah! Até que enfim

Consegui, aqui é Cruz Alta


Não me esperem pra jantar

Tô com pressa, vou dormir

Que hoje eu tenho de sonhar


Alex Dahlke


Imagem: Google imagens

2 comentários:

  1. Oi meu poeta, nostalgia é algo bom de sentir quando as lembranças nos completam, nos faz ser o que somos. Fiz com você esta viagem. Lindo poema, bela mensagem.
    Um beijo meu e obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  2. Uma bela viagem pelos rincões onde cresci. Muita história, muitas saudades, muitos corações partidos... enfim, é a vida!
    Beijão, Elzinha!

    ResponderExcluir